jump to navigation

Onde está a juventude de 68? julho 17, 2008

Posted by pedrocs20 in artigos.
Tags: ,
1 comment so far
passeata de estudantes na frança

passeata de estudantes na frança

A criação deste blog coincidentemente ocorre em um período onde é possível perceber uma série de comentários e reportagens feitos por parte da grande mídia, sobre os 40 anos dos movimentos de 68, sendo destacada a revolta dos estudantes na frança em maio deste ano, mas porque os veículos de comunicação não falam tudo? O que estava acontecendo no Brasil na mesma época?
O ano de 68 foi marcado por uma série de manifestações em todo o mundo, nesta época URSS e Estados Unidos estavam em plena guerra fria e seus arsenais poderiam destruir o mundo inteiro com o toque de um botão. Golpes militares impuseram governos ditatoriais em vários países da América Latina, organizados e financiados pela CIA, os militares tomavam o poder com o intuito de evitar revoluções socialistas em seus respectivos países e continuar alinhados ao capitalismo estadunidense.
No Brasil o período Médici, um dos piores de nossa história, seguia a pleno vapor, tortura, prisões e exílio, eram as práticas deste governo. A medalha do pacificador era dada aos militares que se destacavam na tortura. Podemos verificar também, a clara participação da burguesia brasileira na operação bandeirante (importante dispositivo repressor), já que sítios para tortura e outras instalações eram financiadas pelo empresariado, criando uma forma de tortura clandestina fora de qualquer tipo de registro. Assim pesados investimentos foram feitos com a aliança entre o estado e a burguesia brasileira, organizando assim um estado de repressão. Alguns locais se destacam e são identificados nos relatos de alguns torturados como a casa da morte em Petrópolis, a casa de são Conrado e o sítio 31 de março. O presidente Médici dizia: “O Brasil deve ser uma ilha em meio ao mar revolto”, para esse fim o país viveu o período mais sangrento de sua história, onde os direitos coletivos e individuais foram totalmente extintos e onde nenhuma forma de contestação poderia existir. O auge desta política se deu com o decreto do AI5 que dava poder ao presidente para cassar mandatos e suspender direitos políticos, fechar provisoriamente o congresso e a censura a todos os veículos de comunicação (este decreto se estendeu por 10 anos)
Nesta época, havia uma clara tentativa por parte dos veículos de imprensa de ocultar os fatos que ocorriam no país. Com o surgimento da Rede Globo, grande propagandista do governo militar, essa prática se intensificou. O governo Médici se destaca também pelo chamado milagre econômico, onde foram feitos grandes empréstimos a juros flutuantes para a realização de uma enorme quantidade de obras faraônicas sem nenhum sentido, gerando em pouco tempo um endividamento que nos colocou “na mão” do capital estrangeiro.
Portanto, hoje quando nos é apresentada a história do ano de 68 e seus desdobramentos, os veículos de comunicação, conectados ao mercado e bancados pela mesma burguesia da época da ditadura, distorce os fatos ou não conta toda a verdade dos acontecimentos. As reportagens sobre esse ocorrido são apresentadas como algo isolado na história mundial que, apesar de um fato histórico importante e que provocou algumas mudanças, é passado e não pode acontecer nunca mais. É como se todas as transformações daquele período tivessem propiciado a nossa realidade atual, como em uma evolução e que no momento não há nada a fazer, apenas continuar consumindo, poluindo o planeta, assistindo televisão e etc.
Nossa juventude ou o modelo adolescente vendido diariamente pela mídia, é uma fatia de mercado altamente investida pelo capitalismo, sendo assim, é perigoso e desfavorável para a lógica capitalista, apresentar de forma clara, um modo de funcionamento de grupos sociais, nos moldes da juventude francesa de 68, ou seja, questionadora, engajada politicamente, em ruptura com os modelos impostos e capaz de criar de forma autônoma novos sentidos para a vida.

Anúncios